Quatrocentos Anos de Silêncio

Entre o final do Antigo Testamento e o início do Novo Testamento há uma lacuna de 400 anos sem a manifestação de um profeta de Deus. Durante esse longo período ocorreram eventos marcantes, guerras e o surgimento de diversos grupos que estão presentes nas páginas do Novo Testamento. Qual a característica desses grupos? O que idealizavam? Nesse artigo procuramos destacar, no formato esboço, uma coletânea de eventos ocorridos entre o Período Persa e o Período Romano, os quais envolveram a nação de Israel.

Entre os Testamentos

Definição: Trata do período de eventos que ocorreram entre o fim do AT e o início do NT. As datas são de 424 a.C até 5 a.C.

Por Que Estudar?

  • “Razões Históricas” que explicam os acontecimentos “de fundo” do NT.;
  • “Razões Culturais” que explicam a origem e desenvolvimento dos costumes, instituições e vida espiritual do povo judaico do período do NT;
  • “Razões Messiânicas” que demonstram como Deus preparou o mundo para o Seu Advento.

As Divisões do Período Interbíblico

Entre as datas marcadas para nosso estudo muitos eventos passaram que não teremos oportunidade de reconhecer. Nós daremos atenção especial ao fim do AT, os tempos de Alexandre, as “Guerras dos Macabeus” e Herodes. São eles:

1. Período Persa (536-331)
2. Período Grego (331-167):

2.1. Período Grego Próprio (331-323)
2.2. Período Egípcio (323-198)
2.3. Período Sírio (198-167)

3. Período Macabeu (167-63)
4. Período Romano (63-5)

Fim do Período Antigo – Início do Período Persa

a) Os cativeiros

  • Depois de um longo período de apostasia, o Reino do Norte foi conquistado e levado para o cativeiro pelos assírios em 721 a.C.
  • O Reino do Sul recebeu tratamento semelhante ás mãos dos babilônios sob Nabucodonozor em 586 a.C.

b) As restaurações:

  • Cerca de 50.000 exílios cerca do ano 536 foram permitidos por Ciro voltar a Palestina com Zorobabel (Esdras 1:6);
  • Os eventos do livro de Ester passaram na Pérsia cerca do ano 483;
  • Esdras, um escriba, chegou em Jerusalém cerca do ano 457, promoveu várias reformas civis e religiosas (Esdras 7:10);
  • Neemias e seus companheiros chegaram na Palestina cerca de 445 a.C;
  • Malaquias dirigiu seus ministério num período de decadência espiritual cerca de 432-424, ele marcou o fim do AT.

O Período Pérsico

Ao encerrar-se o A.T, por volta de 430 a.C, a Judéia era uma província da Pérsia. Esta havia sido potência mundial por uns 100 anos. Continuou a ser por outros 100 anos, durante os quais não se conhece muito acerca da história judaica. O domínio pérsico, na sua maior parte, foi brando e tolerante, gozando os judeus de considerável liberdade.

Os reis persas desse período foram:

  • Artaxerxes I (464–423) – Sob seu governo Neemias reconstruiu Jerusalém.
  • Xerxes II (423)
  • Dario II (423-404)
  • Artaxerxes II [ Mnemom ] (404–359)
  • Dario III [ Codomano ] (335-331). Sob o governo deste o “Império Pérsico” caiu.

Características do Período Persa

  • Decadência espiritual vista em Ageu e Malaquias.
  • Desenvolvimento do poder do sumo sacerdote. Após Neemias, a Judéia foi incluída na província da Síria, assim, o Sumo Sacerdote se tornou governador da Judéia e autoridade da Síria.
  • Os inícios do escribismo com um interesse exagerado na Letra da Lei.

O Período Grego

A história do AT se encerrou com o cativeiro que a Assíria impôs ao “Reino do Norte” (Israel); com o subseqüente cativeiro babilônico do “Reino do Sul” (Judá); e com o regresso à Palestina de parte dos exilados, quando da hegemonia persa nos séculos VI e V a.C. Os quatro séculos antes do início da história do NT compreendem o período intertestamentário, também conhecido como “Os Quatrocentos Anos de Silêncio” devido ao hiato, nos registros bíblicos, e ao silenciamento da voz profética. Durante esse hiato é que Alexandre, o Grande, se tornou senhor do antigo Oriente Médio, ao infligir sucessivas derrotas aos persas.

Os Tempos e Significância de Alexandre, O Grande

a) A origem de Alexandre

  • Felipe de Macedom uniu os estados gregos para expulsar os persas da Ásia Menor. Morreu assassinado durante uma festa (337 a.C);
  • Alexandre seu filho, de grande capacidade de liderança, educado sob o famoso Aristóteles, era devotado a cultura grega. Tirou sua inspiração da ilíada de Homero.

b) As conquistas de Alexandre

  1. Após o domínio da Grécia, adentrou a Pérsia, império 50 vezes maior, com população 20 vezes a da Grécia;
  2. Em 334 adentrou na Ásia Menor vencendo o exército persa no Rio Grânico, perto de Trôade;
  3. Em pouco tempo, com apenas a idade de 22 anos, conquistou a Sardo, Mileto, Éfeso e Halicarnaso, estabelecendo em cada cidade a democracia grega;
  4. Em 333 a.C foi ao encontro de Dario na Batalha de Isso, a qual ganhou;
  5. Daí foi sem grande resistência até o Egito que também o dominou;
  6. Em 332 cercou a Tiro, que tomou antes de descer ao Egito;
  7. Venceu Dario decisivamente na batalha de Arbela em 331 a.C pondo fim ao grande império Persa;
  8. Continuou suas conquistas até o Rio Indo;
  9. Morreu com apenas 33 anos (323 a.C) com suas forças dissipadas pelo álcool e malária;
  10. Fundou 70 cidades, moldando-as conforme o estilo grego. Ele e os seus soldados contraíram matrimônio com mulheres orientais e misturaram, desta forma, as culturas grega e oriental;
  11. Antes do falecimento de Alexandre (323 a.C) seus principais generais dividiram o império em quatro porções, duas das quais são importante no pano-defundo do desenvolvimento histórico do NT, que são a porção do Ptolomeus e a dos Selêucidas. O “Império dos Ptolomeus” centralizava-se no Egito, tendo Alexandria por capital. A dinastia governante naquela fatia do império veio a ser conhecida como “Os Ptolomeus”. Cleópatra, que morreu no ano 30 a.C, foi o último membro da dinastias dos Ptolomeus. O “Império Selêucida” tinha por centro a centro a Síria, e Antioquia era a sua capital. Alguns, dentre a casa ali reinante, receberam o apelido de “Seleuco”, mas diversos outros foram chamados “Antioco”. Quando Pompeu tornou a Síria em província romana (64 a.C), findou o “Império Selêucida”;
  12. A Palestina tornou-se vítima das rivalidades entre os Ptolomeus e os Selêucidas. A princípio, os Ptolomeus dominaram a Palestina por cento e vinte dois anos (320-198 a.C). O judeus gozaram de boas condições durante este período. De acordo com um antiga tradição, foi sob Ptolomeu Filadelfo (285-246 a.C) que setenta e dois eruditos judeus começaram a tradução do AT hebraico para o grego, versão essa que se chamou Septuaginta.

c) A influência de Alexandre

  1. Sua influência foi muito grande por causa de sua extensão e permanência;
  2. Estabeleceu centro de comércio e cultura em toda a extensão do seu império;
  3. Com a imposição da cultura grega, a superstição oriental cedeu a liberdade do pensamento grego na filosofia, arquitetura, deuses, religiosidade, atletismo (primeira olímpiada em 776 a.C). Surgiram bibliotecas e universidades em Alexandria e Tarso como em outros lugares. Preparou-se assim o campo para religião universal;
  4. De grande importância foi a disseminação da língua grega, criando a possibilidade de pregação do evangelho fazendo uso de uma língua universal e a criação de uma Bíblia legível em toda a extensão da bacia do Mediterrâneo.

Antíoco Epifânio e a “Revolta do Macabeus”

Antíoco significa “Opositor” (gr.). Foi este o nome de treze reis da “Dinastia Selêucida”. Estabeleceram-se após a morte de Alexandre, o Grande, em 323 a.C.

Os reis:

  • Antíoco I [ Soter ] – (324 a 261);
  • Antíoco II [ Theos ] – (286 a 246);
  • Antíoco III [ O Grande ] – (242 a 187);
  • Antíoco IV [ Epifânio ] – (170 a 169);
  • Antíoco V [ Eupator ] – (173 a 162).

Eventos Relacionados com Alexandre e com Antíoco

  1. Após a morte de Alexandre, começou a luta para o controle do império;
  2. Em 301 a.C, na batalha de Ipso, a divisão efetuou-se em quatro partes;
  3. Egito e Palestina ficaram com Ptolomeu Soter (Lagos) e a Síria do Norte e Ásia Menor com Seleuco;
  4. Os Ptolomeus dominaram a Palestina até 198 quando os sírios com Seleuco anexaram a Terra Santa ao seu domínio;
  5. Antíoco III, o Grande, que conquistou a Palestina, morreu e cedeu lugar a seu filho, Seleuco Filopater (187–175) que foi envenenado, abrindo caminho para a sucessão de seu irmão Antíoco Epifânio (IV).

Os Atos de Antíoco Epifânio (175–164)

  1. Epifânio (nome que deu a si mesmo) significa “deus manifesto”;
  2. O sumo sacerdote, Onias III, liderou os nacionalistas; Jasom, seu irmão dirigiu os helenistas. Jasom ofereceu grande soma de dinheiro a Antíoco por ser apontado sumo sacerdote no lugar do seu irmão. Prometeu também helenizar Jerusalém. Quando assim foi apontado, tornou o povo cidadãos da capital da Síria (Antioquia), erigiu um ginásio grego logo em baixo o Templo e os jovens judeus começaram tomar parte nos jogos gregos. Jasom criou um altar, até mandou ofertas às festas de Hércules, em Tiro. Os nacionalistas são os antecedentes dos Fariseus, helenistas dos Saduceus;
  3. Antíoco fez várias expedições para o Egito. Numa delas surgiram rumores de sua morte, algo que provocou grande regozijo entre os judeus. Ao ouvir isto, Antíoco massacrou 40.000 judeus num só dia. Muitos judeus foram escravizados e o Templo roubado;
  4. Numa campanha seguinte, os romanos forçaram sua desistência no Egito. Em face desta derrota, derramou sua grande ira sobre Jerusalém. No Sábado matou muitos, escravizou outros e destruiu partes da cidade. Mandou erradicar a religião judaica. Quem possuia cópia da Lei (Torah), ou tivesse circuncidado a criança, seria morto. Finalmente converteu o Templo em “templo de Zeus”. Profanou o Templo, em cujo altar, ofereceu uma porca em sacrifício. Destruiu cópias das Escrituras, vendeu milhares de judias para o cativeiro e recorreu a toda espécie imaginável de tortura para forçar os judeus a renunciar sua religião. Isso deu ocasião à “Revolta dos Macabeus”, umas das mais heróicas façanhas da história.

A Revolta dos Macabeus (167–63)

  1. A revolta começou com Matatias, sacerdote em Modim (167) . Período de Independência, também chamado de Hasmoneano. Matatias, era sacerdote patriota e de imensa coragem, furioso com a tentativa de Antioco Epifânio de destruir os judeus e sua religião, reuniu um bando de leais compatriotas e defraudou a bandeira da revolta. Essa revolta teve inicio quando Matatias, sendo obrigado por um agente de Antioco a oferecer um sacrifício pagão, este recusou matando-o, e fugiu na companhia dos cinco filhos, para uma Região Montanhosa. Seus filhos eram: Judas, Jônatas, Simão, João e Eleazar. Essa familia era chamada de “Hasmoneanos”, por causa de Hasmom, bisavô de Matatias, e também de “Macabeus”, devido ao apelido Macabeu (Martelo) conferido a Judas, um dos filhos de Matatias;
  2. Judas Macabeu encabeçou uma campanha de guerrilhas de extraordinário sucesso, até que os judeus se viram capazes de derrotar os sírios em campo de batalha regular. A revolta dos Macabeus, entretanto , foi também uma guerra civil deflagrada entre os judeus pró-helenistas e anti–helenistas;
  3. Judas entrou em Jerusalém e reedificou o Templo. Os judeus recuperaram a liberdade religiosa, sendo esta a origem da Festa da Dedicação (João 10:22), entre 165 e 164 a.C;
  4. Significância da opressão síria e revolta dos macabeus: Restaurou a nação da decadência política e religiosa; Criou um espiríto nacionalista, uniu a nação e suscitou virilidade; Deu um novo impulso ao judaismo, novo zelo pela lei e esperança messiânica.
  5. Intensificou o desenvolvimentos dos dois movimentos que se tornaram os Fariseus e os Saduceus: Os Fariseus surgiram do grupo purista e nacionalista; Os Saduceus surgiram do grupo que se aliou com os helenistas.
  6. Deu maior ímpeto ao movimento da Dispersão, com muitos judeus querendo se ausentar durante as terríveis perseguições de Antíoco.

Período Romano (63)

1. Eventos que relacionaram os dias dos Macabeus com o tempo de Herodes

  • Os irmãos de Judas, Jônatas e Simão sucessivamente lideraram o povo após a morte de Judas;
  • Os descendentes dos Macabeus continuaram no poder até o ano 63 a.C, quando os romanos tomaram o poder;
  • A junção do poder civil com sumo sacerdócio provocou uma decadência espiritual. A luta pelo poder tirou a devoção a Jeovah.

2. Antecedentes na vida de Herodes

  • Antipater, um Idumeu (descendente de Edom, nome dado a Esaú, conseguiu lugar de destaque com os romanos;
  • Como procurador judeu, colocou seu filho Herodes como tetrarca de Galiléia;
  • Herodes mostrou grande zelo no seu governo, erradicando os bandidos que tinham infiltrado a Galiléia;
  • Com a morte de Antipater (40 a.C) conseguiu de Cesar ser apontado rei de Judeia;
  • Com a invasão de Jerusalém e a morte de Antigono, ultimo descendente dos Macabeus, Herodes começou a reinar no ano 37 a.C;

3. Três períodos no reinado de Herodes

  • Os primeiros 12 anos (37-25) foram gastos na luta pelo poder;
  • Os segundos 12 anos (25–13) foram seus melhores anos;
  • Os últimos 9 anos (13 –4) se caracterizaram pela crueldade e amargura (assassinou duas de suas esposas e pelo menos três de seus próprios filhos. Foi este Herodes que governava Judá quando Jesus nasceu, e que trucidou os meninos de Belém. Herodes morreu de hidropsia e câncer nos intestinos, em 4 a.C;

4. Os sucessos de Herodes

  • Uso de muito tato na sua tentativa de helenizar os judeus, que Antíoco Epifania;
  • Com espetáculos, jogos, entre outras coisas, ganhou a lealdade dos jovens judeus que se tornaram os herodianos;
  • Aumentou a fortaleza de Jerusalém, denominada “Antonia”;
  • Edificou a Cesaréia.

Entre seus muitos projetos de edificação, sua maior contribuição para os judeus foi o embelezamento do Templo de Jerusalém. Tal fato não expressava sua participação na fé judaica (ele não acreditava nela), mas foi uma tentativa de conciliar seus súditos. O Templo de Jerusalém, decorado com mármore branco, ouro e pedras preciosas, tornou-se proverbial devido ao seu esplendor: “Quem jamais viu o templo de Herodes, nunca viu o belo!”.

5. Herodes e a vinda de Cristo

  • Ele foi parte do governo romano que preparou o contexto da vinda de Cristo;
  • Foi rei governante quando Cristo nasceu.

As Seitas Judaicas

1. Os Fariseus

  • Seus antecedentes eram os reformadores dos tempos de Esdras e Neemias;
  • Quando Matatias revoltou-se contra os esforços de Antíoco, os Hasidim (“Os Piedosos”), o apoiaram e se ligaram a ele;
  • Mais tarde os Hasidim foram denominados Perushim (“Os Separados”).

2. Os Saduceus

  • O nome possivelmente vem de Zadoque, o sumo sacerdote dos tempos de Davi (II Sm 8:17 e 15:24);
  • Eles aparecem na história na mesma época que os Fariseus;
  • Enquanto os Fariseus eram nacionalistas, a tendência dos saduceus era na direção da filosofia grega com a cultura grega;
  • Sendo eles um partido político de tendências sacerdotais e aristocráticas, tinham pouca influência com o povo comum.

3. Uma comparação entre Fariseus e Saduceus

Fariseus

  • Constituíram o núcleo da aristocracia religiosa e acadêmica;
  • Ensinavam que a alma era imortal, que havia uma ressurreição corporal e julgamento futuro com galardão ou castigo;
  • Acreditavam na existência de anjos e espíritos bons e maus;
  • Predestinatários, mas aceitaram que o homem tinha livre arbítrio e responsável moralmente;
  • Coordenaram a tradição e a Lei escrita numa massa de regras de fé e a prática evoluindo com os tempos.

Saduceus

  • Constituíram o núcleo da aristocracia sacerdotal, política e social;
  • Ensinaram que não há nem galardão nem castigo;
  • Negaram a existência de espíritos e anjos;
  • Enfatizaram a liberdade da vontade humana, rejeitando o determinismo e o azar;
  • Mantinham que a Torah era única fonte infalível de fé e prática.

4. Os Essênios

  • Não mencionados no N.T. mas Filo disse que havia 4.000 ou mais;
  • Eram uma seita ascética com sede na beira ocidental do mar morto;
  • Pensa-se que houve muitos deles nas vilas e cidades da Palestina;
  • Seguiram, o conceito de comunidade de bens, abstinência , meditação, trabalho zeloso e o celibato.

5. Os Herodianos

  • Eram partido político não religioso;
  • Esperaram que Herodes cumprisse a realização da esperança da nação.

6. Os Zelotes

  • Legalistas;
  • Pietistas;
  • Messianistas nacionalistas
  • Intolerantes dos judeus impiedosos e de Israel na subjugação aos romanos.

A Esperânça Messiânica dos Judeus

1. No surgimento no Período Interbíblico

Na época da restauração, e com o desaparecimento dos profetas, houve pouca ênfase na esperança messiânica. O interesse do povo era a observação da Lei (Ne 8:1-3 e 9:13-16).

2. Na época dos Macabeus

A perseguição intensa inspirou a esperança dum líder super-humano. Especialmente após a tomada de Jerusalém pelos romanos (63 a.C), encontramos o ressurgimento da esperança messiânica.

3. Na época do nascimento de Cristo

É fato conhecido que quando Cristo veio houve uma larga expectativa da vinda do Messias, especialmente com a morte de Herodes, o Grande. Mesmo pensadores gentios como Tácito e Suetonio manifestam esta esperança de alguém surgir dentre os judeus.

4. A idéia básica

  • Os judeus esperavam que fossem resgatados por um Rei que levantaria um reino eterno e julgaria os maus;
  • Esperavam a salvação de Israel, não dos gentios;
  • Esperavam alguém mais do que mero homem denominando-o de “O santo e Poderoso”, “Messias “, entre outros títulos. Pode ser que pensavam nele com um anjo poderoso que viesse agir sobrenaturalmente.

5. Uma opinião de minoria

  • Poucos judeus esperavam um messias sofredor;
  • Eram homens espirituais que procuravam nas Escrituras a verdade;
  • Destacam-se pessoas como Simeão, Natanael, João Batista e Ana.

O Advento de Cristo

1. “Período de Silêncio”

O mundo foi preparado para a vinda de Cristo através de vários povos. O Apóstolo Paulo escreveu:

“Mas vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu filho” (Gl 4:4).

Marcos afirmou o mesmo, dizendo :

“O tempo está cumprido e o reino de Deus está próximo” (Mc 1:15).

É interessante notar a preparação do mundo para a primeira vinda de Cristo e as contribuições dos três grande povos daquela época. Verdadeiramente, Cristo veio na plenitude dos tempos.

2. Elementos Judaicos na preparação para a vinda de Cristo

  • Um povo divinamente preparado;
  • Um povo escolhido para ser testemunha entre as nações;
  • Escrituras proféticas predizendo a vinda do Messias;
  • A dispersão dos judeus em todo o mundo conhecido;
  • Sinagoga onde se estudava as Escrituras que forneceriam local para a pregação do evangelho;
  • Proselitismo que trouxe muitos gentios para o judaísmo;
  • Era o povo do Livro, Interessado na prática da religião e na busca da salvação.

Uma esperança da vinda do Messias foi oferecida pelos judeus a um mundo de religiões pagãs. Também o judaísmo ofereceu, pela parte moral da Lei Judaica, o sistema de ética mais puro do mundo. Mas o mais importante é que os judeus prepararam o caminho para vinda de Cristo pelo fornecimento de um Livro Sagrado, o Velho Testamento.

3. Elementos Gregos

A filosofia grega que se aproximava do monoteísmo, tendência para a imortalidade, ênfase sobre a consciência e dignidade humana e liberalismo de pensamento.

A língua grega, tradução do AT, para a pregação do evangelho e a escrita do N.T junto com os termos adotados por Paulo e outro pregadores do Novo Testamento para explicar o evangelho.

No primeiro século os romanos cultos conheciam grego e também latim. O dialeto grego usado no quinto século a.C, na época da glória de Atenas, tornou-se o dialeto “Koiné” (comum) do primeiro século. O dialeto da literatura clássica de Atenas foi modificado e enriquecido pelas mudanças que sofreu nas conquistas de Alexandre Magno no período entre 338 e 146 a.C. O NT. Foi escrito nesse dialeto “comum”.

A cultura helenística em geral com seu espírito cosmopolita, transcendendo as barreiras, o judeu helenizado que serviria como ponte entre o judeu e gentio e a busca da salvação do mundo romano.

Por um lado a filosofia grega deu uma contribuição positiva, mostrando o melhor que o homem pode fazer na busca de Deus pelo intelecto, por outro lado contribuiu negativamente, pois, nunca deu uma satisfação aos corações e nunca conduziu o homem a um Deus pessoal.

4. Elementos Romanos – A Contribuição Política

Cristo veio ao mundo época do Império Romano. Todo o mundo ficou sob um governo único, uma lei universal. Era possível obter cidadania romana, ainda que a pessoa não fosse romana. O Império Romano mostrou as tendência de unificar os povos de raças diferentes numa organização política.

Havia paz na terra quando Cristo nasceu. Os soldados romanos asseguravam a paz nas estradas da Ásia, África e Europa.

Construíram excelentes estradas ligando Roma a todas as partes do Império. As estradas principais foram construídas de concreto. As estradas romanas e as cidades estratégicas localizadas nos caminhos eram indispensáveis a evangelização do mundo no primeiro século.

5. Resumo dos Elementos

Na plenitude dos tempos, quando a maior parte do mundo ficou sob uma lei e um governo, e todo o mundo falou a mesma língua diariamente, Cristo veio, cumprindo as profecias. Jerusalém, em especial, localizava-se onde as estradas se cruzavam, ligando os continentes da Ásia e África com Europa.

Nota: Este resumo é baseado no livro “O Período Interbíblico”, de Enéas Tognini.

Enéas Tognini

image_pdfimage_print

Comments are closed