O Fundamento do Perdão Divino

“Precisamos descansar sobre a base da redenção Consumada”

É de extrema importância que uma alma inquieta acerca do pecado compreenda totalmente este ponto essencial, pois é impossível para uma consciência divinamente despertada poder encontrar descanso, se você não ver claramente o que é a base do perdão.

O Homem que não compreende o verdadeiro fundamento do perdão pode ter alguns pensamentos vagos sobre a misericórdia e a graça de Deus, na sua vontade de receber os pecadores e perdoar os seus pecados; Deus é tardio para irar e rico em misericórdia.

Uma alma convencida de pecado pode saber tudo isso, mas a menos que seja levada para compreender como Deus pode ser justo e ainda justificar o pecador; como pode ser tanto um Deus justo e Salvador; como Ele é glorificado sobre o pecado; como todos os Seus atributos foram harmonizados; Se a pessoa não compreende o que é o verdadeiro fundamento do perdão, ela permanecerá fora da paz Deus que excede todo o entendimento.

A consciência que recebeu o brilho da luz poderosa da verdade divina para convencer do pecado, sente e reconhece que o pecado nunca pode entrar na presença de Deus, pois o justo juízo de Deus abomina pecado. Assim, ela só pode tornar-se desejosa de saber e confiar na maneira como Deus trabalha para livrar o homem do pecado. Como o pecado é uma realidade, a santidade de Deus é uma realidade, a consciência é uma realidade, a vinda do julgamento é uma realidade. Todas essas coisas merecem ser formalmente consideradas: a justiça deve ser satisfeita, a consciência deve ser purificada e Satanás deve ser reduzido ao silêncio, porque não tem poder de nos acusar. Como isso pode ser feito? Somente através da cruz de Jesus!

Aqui temos, pois, o verdadeiro fundamento do perdão divino. A preciosa expiação feita por Cristo é constitui o único motivo pelo qual um Deus justo e um pecador justificado pode estabelecer uma doce comunhão.

Na expiação vejo o pecado condenado, a justiça satisfeita, a lei glorificada, o pecador salvo, o adversário confuso. A criação jamais produziu algo semelhante. Criação revela o poder, sabedoria e bondade de Deus, mas até a coisa mais linda e formosa que existe nela não pode comparar coma “graça que reina pela justiça” (Rm 5.21), não é comparável com a aliança da “justiça e paz, misericórdia e verdade” (Sl 85.10).

No Calvário estava reservado a manifestação dessa maravilha. Lá na cruz, a pergunta mais importante e fundamental é: “Como Deus pode ser justo e ao mesmo tempo, justificar o pecador” encontra sua resposta. A morte de Cristo resolve o problema. Um Deus só tinha de lidar com a questão do pecado na cruz, para que um Deus justificador pudesse lidar com o pecador sobre o novo e eterno fundamento da ressurreição. Deus não poderia tolerar o pecado ou ignorar um jota ou um til do pecado, mas ele poderia removê-lo. Condenou o pecado. Derramou Sua justa ira sobre o pecado, a fim de lançar seu favor a todos sobre o pecador que Nele crer.

Precioso testemunho! Espero que você esteja vendo tudo isso com os olhos da fé. Este testemunho dá o coração uma paz sólida. Deus encontrou satisfação com o tratamento dado ao pecado. Isso é suficiente para mim. Aqui, minha consciência culpada e perturbada repousa sobre o doce descanso. Ver meus pecados subindo diante de mim como montanha escura, ameaçando-me com ira eterna, mas o sangue de Jesus os apagou eternamente e Deus nos os vê mais; foram removidos, removidos para sempre, caíram como chumbo em grandes águas do esquecimento divino, e deles fomos livrados por Aquele que foi pregado na cruz por nossos pecados. Agora Ele está assentado no Seu trono de glória.

Este é, então, a base do perdão divino. O fundamento sólido! Quem poderia afetá-lo? O que poderia removê-lo? Justiça divina o estabeleceu, e a consciência perturbada pode descansar sobre esse fundamento. É preciso que Satanás reconheça isso. Deus se revelou a Si mesmo como justificador, e a fé caminhada na luz e no poder desta revelação. Nada pode ser mais simples, mais claro e satisfatório. Se Deus se revelou como justificador, então estou justificado pela fé nessa revelação. Quando as glórias morais da cruz irradiam sobre o pecador, ele vê e sabe, confia e reconhece que Aquele que julgou os seus pecados na morte, foi justificado na ressurreição.

Meu amado esforce-te, eu imploro, para capturar o verdadeiro fundamento sobre o qual repousa o perdão dos pecados.

Não haveria nenhum proveito para você se não considerar a extensão desse perdão e a maneira como Deus nos dá, enquanto sua consciência perturbada não for conduzida a descansar nesse fundamento inabalável.

Arrazoemos juntos: O que é que impede você de descansar, a partir deste momento, em que a base de uma Redenção consumada? A sua consciência precisa ser satisfeita, mais satisfeita do que a justiça inflexível de Deus?

Deus revela-se como aquele que justifica com justiça o pecador que crê em seu Filho. Este fundamento não é forte o suficiente para você, de modo que não pode manter-se firme como um pecador justificado? O que você diria? Você está satisfeito? Será que Cristo é suficiente para você? Procurando algo em si mesmo, em seus caminhos, em suas obras, em seus pensamentos, seus sentimentos?

Se assim for, abandone toda busca, pois será absolutamente vã, porque você nunca encontrar nada, ou se encontrar algo será um obstáculo, uma perda, um incômodo. Cristo é suficiente para Deus, e espero que seja para você também. Então, é somente pela obra de Cristo na cruz que você realmente será feliz. Queira Deus que a partir deste momento você repousar no sacrifício perfeito de Cristo, o único fundamento do perdão divino.

A Extensão do Perdão Divino

Muitos estão confusos sobre este ponto. Eles não veem a plenitude da expiação e não conseguem captar a aplicação dela em relação aos pecados. Alguns não captam toda a força destas palavras. Muitas vezes cantamos: “Quem todos os nossos pecados foram perdoados com a graça abundante“. Alguns cristãos pensam que Cristo levou apenas alguns de seus pecados (cometidos antes de sua conversão); e por isso, vivem angustiados com os pecados de cada dia, como se esses pecados devessem ser removidos de acordo com outro princípio que se aplica a seus antigos pecados.

De modo que muitos se sentem deprimidos e preocupados. E não pode ser de outra forma, até que eles percebam que, na morte de Cristo, eles têm tudo o que precisam para obter o perdão completo de todos os seus pecados. É verdade que, se um filho de Deus comete pecado deve se aproximar de Seu Pai e confessá-lo. Mas o que o apóstolo diz sobre aqueles que confessam seus pecados? Deus “é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1 Jo 1.9).

Fiel e justo! Por que não dizer “cheio de graça e de bondade“? O apóstolo argumenta conforme esta verdade: toda a questão do pecado foi abordado exaustivamente e completamente resolvido pela morte de Cristo, que está atualmente no céu como um advogado justo. Nenhum outro fundamento de Deus poderia ser “fiel” em relação ao perdão dos pecados. Todos os pecados do crente foram expiados na cruz. Se um dos meus pecados não haviam sido expiados, eu seria eternamente é impossível para um único pecado, por menor que possa parecer, entrar no santuário de Deus.

Além disso, se todos os pecados do crente não foram expiados pela morte de Cristo, não será confissões, nem orações nem jejuns, ou qualquer outro meio seria suficiente para obter o perdão, pois a morte de Cristo é o único fundamento sobre o qual Deus com fidelidade e justiça, pôde perdoar os pecados; e sabemos que ainda hoje, ele pode perdoar os pecados, unicamente por Sua fidelidade e justiça, porque está é uma questão de louvor para Ele e o maior dos prazeres nós.

Mas você pode dizer: “O quê! Quer dizer que os meus pecados futuros também foram expiados?“. Sim! Todos os nossos pecados futuro foram perdoados quando Cristo tomou sobre Si madeiro maldito. Os pecados de todos os cristãos em dos séculos, desde então eram futuros, quando Cristo morreu por eles. Portanto, se a ideia dos pecados que cometeremos no futuro, se eles ainda estão aqui é uma dificuldade e confunde-nos. Mas, realmente, toda essa incerteza sobre pecados futuros vem em grande parte do costume, temos considerado a cruz do nosso próprio ponto de vista e não do ponto de vista de Deus: contemplamos este trabalho a partir da terra e não do céu. As Escrituras nunca falam dos pecados futuros.

O passado, o presente e o futuro são apenas coisas humanas e terrenas, mas para Deus, tudo é um eterno presente. Todos os meus pecados foram aos olhos da justiça infinita na cruz, e todos foram colocados sobre Jesus, que, por sua morte, colocou o fundamento eterno do perdão dos pecados, para que o crente, a qualquer hora de sua vida, em qualquer fase de sua carreira, a partir do momento em que a boa nova do Evangelho precioso tocou em seus ouvidos e ele creu, até o dia da vinda do nosso Senhor na glória, ele será capaz de dizer claramente e decisivamente, sem reservas, sem medo e sem hesitação: “Tu lançastes nas para trás das Tuas costas todos os meus pecados” (Is 38.17). Essa proclamação é apenas a resposta de fé a declaração do próprio Deus, que disse que “nunca mais se lembraria dos nossos pecados e das nossas iniquidades“. “O Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós” (Hb 8.12, Is 53.6).

Tomemos por exemplo o caso do ladrão na cruz. Quando, aquele pecador condenado, olhou com fé para Aquele que estava na cruz ao seu lado, não foi, a partir desse momento, que ele foi capaz de entrar no paraíso de Deus? Não foi investido de um título divino para passar da cruz de um criminoso para a presença de Deus? Sem dúvida. Desde esse momento ele fez algo por conta própria que o tornou digno de entrar no céu? Claro! Agora, suponha que em vez de ir para o céu, fosse permitido desce da cruz. Suponha que ele pudesse arrancar os cravos das mãos e dos pés e se tornasse livre.

Estaria o pecado em sua natureza e, portanto, seria ele exposto ao pecado, por pensamentos, palavras e atos. Mas teria perdido sua posição de filho de Deus, o que o tornou apto para morar no céu? Certamente que não! Todos os seus pecados foram levados por Jesus. O que tinha qualificado para entrar no céu desde o início, tinha sido feito uma vez por todas, para que se tivesse vivido mais 50 anos na terra, em todos os tempos teria sido qualificado para entrar na eternidade celeste.

É certo que, se o pecador perdoado comete o pecado, sua comunhão com Deus é interrompida e ela só pode ser restaurada pela confissão sincera do pecado. “Se dissermos que temos comunhão com ele e andarmos nas trevas, mentimos e não praticamos a verdade” (1 Jo 1.6). Embora, minha comunhão pode ser interrompido, minha posição de filho nunca pode ser anulada. Tudo foi feito na cruz. Todo pecado, culpa foi expiado pelo precioso e único sacrifício que leva o crente da posição de pecado e de condenação a uma posição de perfeita justificação e favor.

É transferido de uma posição em que ele não tinha o menor traço de justiça a uma posição que não é e nunca pode ter e menor traço de culpa. Está estabelecido na atmosfera de graça. Tal é a sua única e constante posição diante dos olhos de Deus e diante de Deus. mas, se o crente cometer o pecado (e quem não tem pecado?), deve ir a Deus e confessar. E o que é isso? Perdão e purificação, com base na fidelidade e justiça de Deus, que foram perfeitamente satisfeito na cruz de Cristo. Tudo é baseado na cruz: a fidelidade e a justiça de Deus; o ofício de Cristo como advogado, nossa confissão, nosso perdão completo, a nossa purificação perfeita, restauração de nossa comunhão, tudo repousa sobre a base sólida do sangue precioso de Cristo.

 

Charles Henry Mackintosh (Outubro 1820 – Novembro 1896), também conhecido por muitos cristãos no mundo inteiro como C. H. Mackintosh ou pelas iniciais “C. H. M.”, nasceu em outubro de 1820 em Glenmalure Barracks no condado de Wicklow, Irlanda. O seu pai era capitão e servira no “Highlander’s Regiment” na Irlanda. A sua mãe era a filha de Lady Weldon e procedia de uma antiga família natural da Irlanda. Mackintosh foi um irlandês Profissional da Educação; Proprietário de Escola; Escritor; Editor; Biblicista Dispensacionalista; Hermeneuta; Evangelista; e Líder Adenominacional do Movimento Irmãos Unidos na Irlanda, também conhecido como Irmãos de Plymouth, Assembleia dos Irmãos em Portugal, Casa de Oração no Brasil, ou simplesmente Os Irmãos. A idade de 18 anos, o jovem experimentou um despertamento  espiritual mediante  cartas  escritas por sua irmã após a conversão dela. Recebeu a paz por meio da leitura do escrito de John Nelson Darby, “As operações do Espírito Santo”.